29 maio 2014

Resenha: Quem Teme a Morte - Onye e a Profecia

Autora: Nnedi Okorafor
Editora: Geração
ISBN: 9788581301594
Ano: 2014
Páginas: 412
Tradutor: Mariana Mesquita
Adicione no "Orelha de Livro"


Livro cedido em parceria com a editora Geração

Sinopse: Numa terra devastada por uma hecatombe nuclear, uma jovem e misteriosa mulher com o incomum nome de Onyesonwu – que pode ser traduzido como Quem Teme a Morte – descobre que tem superpoderes e foi escolhida para salvar a humanidade. Este seria um romance distópico como qualquer outro se não transcorresse na África e sua autora não fosse a surpreendente Nnedi Okorafor, elogiada pelo prêmio Nobel nigeriano Woyle Soyinka. Fantasias, batalhas, tradições e alta tecnologia, sonhos, visões, discriminação racial e sexual, tudo se mistura numa narrativa tensa e poética que confere uma nova linguagem para os romances do gênero. 

Resenha:

Como a sinopse diz, em Quem Teme a Morte, acompanhamos Onyesonwu, mais conhecida como Onye, em um mundo distópico, tudo foi destruído, uma nova civilização foi criada, primeiramente os Okeke e depois os Nurus. Este segundo, de acordo com o Grande Livro, foi criado pela Deusa Ani a partir do sol, enquanto os Okekes foram feitos através da noite. São povos diferentes entre si, e não se misturam, vendo oportunidade onde ninguém via, o povo Nuru começou a abusar dos Okekes. Destruíam suas casas, matavam seus homens e estupravam suas mulheres. Dos estupros, nasciam crianças com a pele mais clara, como as areias do deserto, eram chamados de Ewu, e amaldiçoados por todos. É neste contexto que somos apresentados a Onye, uma mulher Ewu que nasceu com grandes poderes e destinada a ser algo maior, algo que poderia reescrever o Grande Livro e libertar este mundo hostil e devastado.


"Desde o momento em que fui concebida, sempre fui problema. Eu era uma mancha negra. Veneno. Percebi isso quando tinha onze anos de idade. Quando algo estranho aconteceu comigo. O incidente fez com que minha mãe se sentisse obrigada a me contar a minha própria história horrorosa."

Eu amo distopias, foi exatamente por isso que pedi este livro para a editora. Quando li a sinopse, fiquei encantada e muito curiosa quanto ao enredo. A história de Onye se passa em uma África do futuro, em meio a desertos e cidades com nomes estranhos. Se prepare para encontrar neste livro uma história sem igual, nunca antes contata. Cheia de mistério, magia, tecnologia, traições, amor e ódio. Onye é o tipo de personagem que eu adoro: cheia de si, misteriosa, corajosa e guerreira. Uma personagem memorável! Você vê o crescimento da personagem, de uma menina hostil, que não sabia manipular seus poderes, para uma mulher que ama, sofre com o sofrimento do mundo e deseja desesperadamente mudá-lo.


Só senti falta de um aprofundamento sobre como o mundo chegou onde o livro começa, na sinopse, explica-se que a terra foi devastada por uma hecatombe nuclear, mas em momento nenhum da história, Onye conta sobre como ocorreu. Talvez porque tenha acontecido a muitos anos atrás, ou a autora não tenha encontrado motivos para explicar, mas o fato é que senti falta disso, mesmo amando a história de Onye. A autora também nos mostra do que o racismo é capaz, o que uma pessoa com esses sentimentos pode fazer, o quanto é mau esse sentimento. Crianças inocentes sofrendo por causa disso, crescendo sendo chamadas de monstros, ignoradas por todos por ter nascido Ewu (que significa nascida da dor). Tbm mostra o martírio das mulheres Okekes, o que as mesmas enfrentam, e por serem mulheres, não podem revidar.


"Os homens Nuru e suas mulheres haviam feito aquilo por motivos além da simples humilhação e tortura. Eles queriam gerar crianças Ewu. Tais crianças não são frutos do amor proibido entre Nuru e uma Okeke, nem são Noahs, Okeke que nasce sem cor. Os Ewu são filhos da violência."

A narrativa é em primeira pessoa, pelo ponto de vista de Onye, e eu adorei isso. Como ela é uma Eshu, Onye pode se transformar em animais e essas foram as melhores partes. Além deste poder, durante a leitura, Onye vai descobrindo seu caminho e acima de tudo, sua profecia. Como nasceu de um estrupo, Onye sabe que tem que encontrar seu verdadeiro pai e por um fim na dor de sua mãe, mas para isso acontecer, Onye terá que enfrentar desafios enormes, perder pessoas que ama e morrer muitas vezes.
A capa é linda, descreve bem o enredo do livro e nos transporta para o deserto, a diagramação é simples com pequenos detalhes superior nas folhas e títulos nos capítulos que não dão spoiler do que está por vir. O livro é divido em três partes: I Tornando-se, II Estudante e III Guerreiro, a revisão ficou boa, com poucos erros que não prejudicam muito a leitura.


A autora tem uma escrita densa, com muitas descrições de violência contra as mulheres, Nnedi conseguiu criar uma história forte, com personagens marcantes e uma trama que permite ao leitor refletir sobre tudo o que ocorre. O final não é previsível e isso é um ponto forte do livro, depois de Onye contar sua história, vc imagina um rumo e a autora optou por seguir outro totalmente diferente do que eu esperava, mesmo assim, não consigo deixar de gostar, simplesmente maravilhoso!

"Eu também sentia aquilo dentro de mim. Como um demônio enterrado sob minha pele desde minha concepção. Um presente de meu pai, de sua genética nefasta. O potencial e o gosto pela crueldade. Estava em meus ossos, firme, estável, imóvel. Oh, eu tinha que encontrar aquele homem e matá-lo."


Avaliação:


Sobre a autora:


NNEDI OKORAFOR, de ascendência nigeriana, vive nos Estados Unidos. Aclamada pela crítica por causa de seus romances densos e criativos, foi comparada recentemente a J.K. Rowling, a criadora de Harry Potter. Ela é atualmente professora de escrita criativa na Universidadse de Chicago. Quem teme a morte teve os direitos comprados para ser transformado em filme.


7 comentários:

  1. Oi, Ana
    Quero muito ler esse livro. Gosto muito de distopias e esse livro chamou a minha atenção por ter como cenário a África. Com certeza quero ler.

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    O livro apresenta personagens fortes e bem elaborados pela autora. O cenário é indiscutivelmente fascinante, sem contar que o enredo apresentar uma história muito boa, a escrita parece ser tão madura, entretanto não consegui ser cativada por ele, pelo menos agora, talvez mais tarde eu possa mudar de opinião.

    ResponderExcluir
  3. Adoro livros em que o final não é previsível. E a trama desta história me chamou atenção desde que vi a primeira resenha.
    Que bom que voce também gostou. Vou procurar este livro, todos falam muito bem.
    Adorei a resenha.

    Blog: livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br
    Fanpage: facebook.com/livrosvamosdevoralos

    ResponderExcluir
  4. Não faz meu estilo de livro
    Gosto masi de romances sabe a capa tbm não me chamou atenção
    Quem sabe um dia eu leio

    ResponderExcluir
  5. Nossa a historia em si é muito fora do meu estilo.
    As mulheres eram estrupadas? As crianças que nascem por meio disso sofrem muito afinal eram consideradas amaldiçoadas. :P
    A capa é bonita.

    ResponderExcluir
  6. Adorei a resenha! Fiquei muito curiosa para ler. Adoro livros com rumos incertos, é muito bom quando uma história te pega de surpresa! Achei muito legal virar filme. Vou ler e quando lançar, assistir.

    Um beijo,
    Lê.

    ResponderExcluir
  7. Sobre a falta de explicação sobre como o mundo se tornou o que vimos na história, a autora publicou ano passado um livro que é preludio de "Quem Teme a Morte". Se chama "O Livro da Fênix", que ainda não foi lançado no Brasil.

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz