27 maio 2016

Resenha: Uma História Incomum Sobre Livros e Magia - Lisa Papademetriou

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580415063
Autor: Lisa Papademetriou
Titulo Original: A Tale of highty unusual Magic
Ano: 2016
Páginas: 192
Tradutor: Carolina Alfaro
Adicione ao "skoob"

Sinopse:
Duas meninas encontram um livro mágico e cada uma se vê envolvida numa história que parece ser contada sozinha.
Kai chega ao Texas para visitar sua tia-avó Lavinia – uma senhora extravagante, durona e fã de hip-hop. Do outro lado do mundo, no Paquistão, Leila deseja ser tratada como uma princesa pela família de seu pai e viver fortes emoções.
Elas só não fazem ideia de que seus mundos completamente diferentes estão prestes a se chocar graças a um enigmático livro em branco.
Quando Kai escreve no livro, suas palavras magicamente aparecem no exemplar de Leila. As meninas então percebem que O cadáver excêntrico reage a cada frase acrescentada – não importa se foi inspirada pelo ataque de um chihuahua ou por um mal-entendido com uma cabra – com um trecho da história de amor vivida por Ralph Flabbergast e Edwina Pickle mais de cinquenta anos antes.
Uma história incomum sobre livros e magia entrelaça essas três perspectivas – de Kai, Leila e Ralph – de uma forma divertida e emocionante. É uma narrativa mágica sobre o destino e os laços invisíveis que nos ligam uns aos outros.

Resenha:
“É uma história maravilhosa. Quase como música. Uma combinação de melodias diferentes.”
“Uma História Incomum Sobre Livros e Magia” é um livro fininho, tem só 192 paginas, mas pensa em um livro com conteúdo.  Neste pouquinho de paginas vamos acompanhar três historias em paralelo, duas nos dias atuais e uma no passado, que é o link entre as atuais. Confuso? Nem tanto, depois que se inicia, a leitura flui fácil e rápido. Rápido até demais, pois ao final, fica aquele gostinho de quero mais.

Kai é uma adolescente que a pouco tempo perdeu o pai. Acreditando que a filha precisa mudar de ares, a mãe à envia para o Texas para passar um tempo com sua tia-avó Lavinia, que mora em uma cidade pequena e pacata no estado. Lavinia é uma pessoa bastante peculiar, uma senhora na casa dos 70 que ama hip - hop e tem uma vitalidade que, até mesmo para Kai, é difícil de acompanhar.
Lá ela também faz amizade com Doodle, uma lepidopterologista entusiasmada. Doodle é uma garota simples e dedicada, e que possui uma paixão especial pelas mariposas e que convence Kai a ajuda-la a procurar uma mariposa raríssima naquele local para tentar ganhar a feira de ciência. .

Até ai, tudo bem, a historia de Kai não poderia ser mais normal. Mas, a magia começa quando ela encontra um estranho livro ao explorar a casa de Lavinia.
O Cadáver Excêntrico é um livro estranho, no minimo. A primeira olhada Kai constata que ele esta em branco, a não ser por uma pequena introdução. Por puro impulso, ela pega uma caneta e acrescenta algumas frases aleatórias no livro. Para seu espanto, tempo depois, o livro toma vontade própria e começa a contar uma historia a partir do paragrafo escrito por Kai.

E em paralelo a historia de Leila também toma forma, uma menina que esta passando as férias no Paquistão para conhecer os familiares de seu pai.
O que Leila mais quer na vida é uma aventura, uma boa o bastante para superar as que sua irmã aventureira  está sempre relatando em seu badaladíssimo blog.  Ela espera encontrar isso no Paquistão, mas as coisas tem se mostrado bem diferente, já que ela não fala a língua do pais e não entende nada do que seus familiares falam, a fazendo se sentir deslocada e insegura.  Mas a aventura de Leila também esta para começar. Assim como Kai, ela encontra na biblioteca da família O Cadáver Excêntrico e também como a outra garota, acaba descobrindo que o livro é bem mais do que parece.

E também tem Ralph Flabbergast, que é quem assina a introdução de O Cadáver Excêntrico. A historia dele toma forma a cada frase acrescentada por Kai e Leila, uma historia de amor um tanto quanto conturbada. Mas para as meninas, que não tem ideia da existência uma da outra, não passa de ficção, fruto da magia contida nas paginas de um livro maluco que acidentalmente acharam. Mas livros e magia são algo imprevisível e a ficção pode se tornar algo bastante palpável, para ambas.
“ Havia algo naquele livro que trouxe de volta a excitação de Kai. Mas foi ai que ela fez uma coisa que nunca entendeu direito. Tirou uma caneta do bolso e, depois de Ralph T. Flabbergast, ela escreveu: Era um perfeito idiota.”
Então gente, como eu falei lá em cima, este é um livro curtinho, por isso não posso me aprofundar muito na resenha sem dar spoilers, afinal, a trama se desenvolve de forma bastante rápida.

Ao iniciar a leitura acreditava se tratava apenas de um livro para adolescentes. Mas, como gosto do gênero, resolvi continuar mesmo assim, pois estava precisando de uma leitura leve e divertida para aliviar a cabeça. Grande engano, a trama é linda e bastante reflexiva.

A principio, quando a trama se estabeleceu, deduzi que o livro retrataria o inicio da amizade de duas meninas através do livro, pois existe essa comunicação entre as duas “autoras” do O Cadáver Excêntrico. Mas novamente eu estava enganada, a amizade entre as meninas não acontece, não durante as 192 paginas pelo menos. O livro é na verdade uma forma de cura para ambas, que estão passando por momentos complicados da vida.

Quando as três historias começaram a se entrelaçar, eu achei que tudo ficaria confuso também, coisas que não aconteceu em nenhum momento, tudo se encaixa em perfeita harmonia, e ao final da leitura eu estava de queixo caído com tamanha maestria da autora para conduzir a trama.

Enfim, como vocês podem perceber, é um livro que possui uma premissa interessantíssima e ele cumpre exatamente este papel, nos brindando  com uma leitura fácil, rápida, bastante prazerosa e até mesmo um pouquinho emocionante.
E existe um diferencial neste livro que eu achei simplesmente MARAVILHOSO, que é narrativa. Sim, ela é feita em terceira pessoa. Um observador narra a aventura de Leila, Kai e Ralph, mas esse observador é a autora, e ela assume a narrativa em certos momentos explicando os porquês de ter criado determinadas cenas e colocado a trama naquele rumo. Parece confuso falando assim, mas é simplesmente genial, é como estar na cabeça da autora durante o seu processo de criação. Eu fiquei simplesmente fascinada.

Em todo caso, eu achei o final um pouco corrido e pouco trabalhado. Não me entenda mal, o final foi lindo, mas deixou aquela sensação de que a autora queria terminar logo e na menor quantidade de paginas possíveis. Eu esperava um pouquinho mais, algo mais detalhada, só por isso o livro não ganhou cinco estrelas, no mais,  entrou para os meus livros favoritos.

Sobre a edição física, o livro é um primor, com uma diagramação maravilhosa, super bem elaborada e com divisões de capítulos estilizadas. A capa também é maravilhosa, com uma cor bastante chamativa e uma textura aveludada. A revisão está impecável, sem erros aparente, fonte agradável para a leitura e paginas amareladas.

Sobre o autor:

Lisa Papademetriou tem diversos livros publicados, entre eles Como Ser Deminina  e Rani Na Lagoa das Sereias, Middle School: Big, Fat Liar e Homeroom Diaries (ambos com James Patterson). Seu romance de estreia, Sixth-Grade Glommers, Norks, and Me, foi considerado pelo site FamilyFun um dos melhores livros de 2006. Lisa fez mestrado em belas-artes na Vermont College e hoje vive em Northampton, Massachusetts, com o marido e a filha. Gosta de costurar, dançar músicas dos anos 1980, tocar violão e beber café.

4 comentários:

  1. Oi Geeh, tudo bem???
    Eu sempre tenho receio com livros de poucas páginas, ainda mais com os finais... a impressão que dá mesmo é de correria, sendo que quando a história é boa a gente sente aquela necessidade de um desenvolvimento maior, e terminamos um pouco frustrados, ainda que não tenha sido o seu caso, você citou que sentiu falta de um desenvolvimento no final... eu acho a capa deste livro muito bonita, mas sabendo da quantidade de páginas, fiquei com receio... mas quem sabe um dia né... de qualquer forma adorei a sua resenha e os pontos que você levantou sobre a história... xero!
    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Geeh, tudo bem???
    Eu sempre tenho receio com livros de poucas páginas, ainda mais com os finais... a impressão que dá mesmo é de correria, sendo que quando a história é boa a gente sente aquela necessidade de um desenvolvimento maior, e terminamos um pouco frustrados, ainda que não tenha sido o seu caso, você citou que sentiu falta de um desenvolvimento no final... eu acho a capa deste livro muito bonita, mas sabendo da quantidade de páginas, fiquei com receio... mas quem sabe um dia né... de qualquer forma adorei a sua resenha e os pontos que você levantou sobre a história... xero!
    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Achei interessante e deve ser misterioso esse livro devido a historia aparecer aos poucos, conforme as meninas escrevem, como adoro fantasia me interessei. Achei estranho o fato das meninas nem se conhecerem,não estarem interligadas de alguma forma, porque será que as duas tem o livro, misteriooooo kkk.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Geeh.
    Esse livro me chama atenção pela originalidade. Em um mar de livros tão parecidos, sem dúvidas esse chama a atenção.
    O modo que a fantasia foi desenvolvida é bem original, sem falar que é um livro peculiar. Ademais, quero conferir essa escrita tão maravilhosa.
    Ótima resenha.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de maio. Serão três vencedores!

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz