08 janeiro 2017

Resenha: Diário de Uma Escrava - Rô Mierling


Edição: 1
Editora: DarkSide Books
ISBN: 9788594540195
Ano: 2016
Páginas: 240

Sinopse: Laura é uma menina sequestrada e jogada no fundo de um buraco por alguém que todos imaginavam ser um bom homem. Ela vê sua vida mudar da noite para o dia, e passa a descrever com detalhes sinistros e íntimos cada dia, cada ato, cada dor que o sequestro e o aprisionamento lhe fazem passar. Estevão é homem casado, trabalhador, pai de família, mas que guarda em seu íntimo uma personalidade psicopata. Ele percorre ruas e cidades se apossando da vida de meninas ainda muito jovens, pois dentro de si uma voz afirma que é dele que elas precisam. Mergulhando fundo nessa fantasia, ele destrói vidas, famílias e sonhos, deixando atrás de si um rastro de dor e morte.
Narrado em parte em forma de diário, o livro acompanha mais de quatro anos da vida de Laura em um buraco embaixo da terra, período em que algo dentro dela também se modifica de uma forma inimaginável em busca da única maneira para sobreviver. Publicado originalmente na plataforma digital Wattpad, onde já teve mais de um milhão e meio de leituras, DIÁRIO DE UMA ESCRAVA apresenta um retrato duro, cruel, abominável, mas infelizmente corriqueiro no Brasil e em todo o mundo.
Através de Laura, raptada ainda adolescente por um homem que ela chama de “Ogro”, a autora denuncia os diversos tipos de violência que muitas mulheres são obrigadas a suportar em silêncio e nas sombras da sociedade. O “Ogro”, um homem aparentemente comum, honesto e “acima de qualquer suspeita”, mantém Laura presa em uma casa afastada, onde abusa dela sexual e mentalmente, alegando ser ela o seu verdadeiro amor. Laura, compreensivelmente, só pensa em escapar dali. Mas agora ele parece estar mudando. Será que é o melhor momento mesmo para fugir?... Bem, isso você vai ter que ler para descobrir.




Quando comprei este livro, confesso que o comprei por estar com um ótimo preço. Não cheguei nem a ler a sinopse. A capa me chamou a atenção e o preço estava bom, resultado: comprei! rsrsrsr
Assim que o livro chegou, eu fiquei encantada com a edição maravilhosa, (vou falar mais sobre ela no final da resenha) e só então, fui descobrir do que se tratava o livro.
"E eu fico ali, chorando e sabendo que faz mais de quatro anos que fui sequestrada e a polícia não deve mais estar à minha procura. O único que sabe onde eu estou é aquele homem nojento que me estrupa todo dia e a quem chamo de Ogro."
Sim, fiquei chocada. Eu já havia lido um livro com essa temática e acabei me assustando com os sentimentos que esse tipo de história desperta em mim. Quanto mais eu lia, mais vontade eu tinha de abandonar o livro e, ao mesmo tempo, sentia vontade de continuar a leitura para descobrir o que me aguardava no final.
Laura foi sequestrada quando tinha 14 anos por um homem que ela apelidou de "Ogro". O Ogro é casado, mas não é um pai de família como a sinopse diz. Ele só é casado, sem filhos. E também não é o homem acima de qualquer suspeita, ele é estranho e todos na cidade onde ele e sua esposa moram, admitem isso.
Laura vive em um buraco que o Ogro construiu, em uma casa afastada da cidade. Há mais de 4 anos que Laura não vê a luz do dia, nem sente o calor do sol em sua pele. Laura passa seus dias desenhando na terra do buraco e inventando mil e uma maneiras de fugir dali.
Quando Laura está sendo estrupada, ela lembra de Mauro, seu antigo namorado e do amor que sua família sentia por ela.
"Como pode um ser que se diz humano, como o Ogro, ter uma esposa, ter uma casa normal e até frequentar uma igreja e, ainda assim, ter dentro de si esse demônio em forma de gente?"
E assim, vamos acompanhar Laura em sua narrativa sobre os dias que passou sendo uma escrava sexual do Ogro. Laura conta tudo nos mínimos detalhes, chegamos até a sentir nojo em certas páginas. No meu caso, senti tanto ódio desse homem que mesmo depois de terminada a leitura, eu fiquei imaginando diversas maneiras dolorosamente reais para ele morrer.
O que mais choca o leitor é o fato (FATO! Sem dizer que é fato real, por favor neh?) de que isso, como a autora mesmo diz, é algo corriqueiro no Brasil e no mundo. Ao terminar a leitura, o leitor vai encontrar algumas notas finais da autora, onde ela deixa registrado alguns casos verídicos em que baseou este livro. Dói demais saber que, em algum lugar do mundo, nesse exato momento, alguma menina está sofrendo o que Laura sofreu.
Apesar de ser uma ficção, o livro também é um apelo para cuidarmos de nossas crianças. Devemos ensiná-las a não aceitar NADA de estranhos, mesmo que estejam com mulheres ou crianças ao seu lado.
Também é um apelo para os pais e parentes de crianças desaparecidas: Não desistam! Não deixem de acreditar que um dia elas serão encontradas. Acreditem, por favor, acreditem!
"Eu me agarro ao travesseiro e choro. Minhas lágrimas molham o lençol e eu, por incrível que pareça, me sinto segura nesse buraco. Aqui, sei o que me acontece dia após dia, sei que vou apanhar e ser estrupada, sei que ele vai me alimentar de uma forma ou de outra. Porém, se sairmos daqui juntos, o que será de mim? E se a polícia pegar esse monstro e eu voltar para casa? Como vou olhar para minha mãe e meus amigos? E se eles puderem ver em meu rosto as atrocidades que o Ogro dez comigo? Como vou poder aguentar a dor da humilhação?"
O enredo é triste e verdadeiro, mas senti que algumas partes foram escritas só para deixar o livro um pouco maior. Gostei da forma com a autora construiu os personagens e todo o conteúdo, mas algumas coisas não fizeram sentido para mim: até entendo a narrativa em terceira pessoa dos personagens secundários que, em algum momento, fizeram parte da vida de Laura ou do Ogro, mas não entendi a narrativa de Daniel... pareceu-me que ele foi criado só para dar esperança para o leitor e para aumentar o livro.
Como eu disse acima, a edição está linda demais! Vocês podem ver pelas fotos o quanto o livro é lindo!
A capa é dura, com toque emborrachado e detalhes em verniz. E o que dizer dessa borboleta??? Perfeita! Se vocês não perceberam, o título do livro e o nome da autora estão escritos dentro das asas!!! Por dentro, a diagramação é simples, mas bem feita, encontrei poucos erros de revisão. Também possui o marcador de fita que todos os livros de capa dura da DarkSide possuem. O corte das páginas colorido foi o que mais me encantou! Azul na parte superior e rosa na parte inferior. Lindo gente, sem mais! rsrsrsrs
"Eu, ali, de joelhos, com o esperma dele escorrendo pelos cantos da boca, uma menina magra, sem cor, sem vida, torturada, humilhada, destroçada, tentando sorrir para não mais passar pelo que já tinha passado. Ele, em pé, me olhava e se sentia um deus. Mas eu não ligava, não naquela hora, não mais."
Do mais, só posso indicar a leitura. A escrita da Rô é constante e sucinta. Laura ainda é uma adolescente de 14 anos. Ela não amadureceu como deveria, isso deixa a leitura mais tensa, pois, além de abusar de Laura sexualmente, o Ogro também abusa de sua mente, mexendo com psicológico e com sua realidade.
Não senti, em momento nenhum, que ela estava enrolando no desfecho do livro, ao contrário! Imagino como deve ter sido difícil para ela, dar o fim que deu.
Convido vocês a conhecer essa história e acompanhar Laura e seus pensamentos por essas páginas tristes, dramáticas e dolorosamente verdadeiras.


Avaliação: 



Sobre a autora: 



Rô Mierling é gaúcha/brasileira, escritora, roteirista e antologista. Autora de "Contos e Crônicas do Absurdo", “Íntimo e Pessoal”, "Quando as Luzes se Apagam", “Pedaços de Mim”, "Diário de uma Escrava", “Cicatrizes da Escravidão” e muitos outros. Coordenadora em mais de quarenta coletâneas de contos nos mais diversos assuntos, entre o dramático e o sinistro, do paranormal ao crime sádico. A autora atua na divulgação e incentivo de leitura e escrita junto a diversos projetos como PEGAÍ. Atualmente está lançando um livro pela Darkside Books e outro pela Editora Abril junto a Revista Mundo Estranho. Colunista nas revistas internacionais Sotaque (Porto/Portugal) e Resonancias (Argentina/França). A autora está escrevendo seu sétimo livro e mora atualmente em Buenos Aires – Argentina.
A escritora recebeu vários prêmios literários e atualmente é coordenadora do grupo literário “Antologias Brasileiras” que tem como missão divulgar o trabalho de escritores brasileiros iniciantes.


6 comentários:

  1. Ana!
    É difícil aceitarmos que isso acontece de uma maneira até corriqueira em nosso país e em alguns outros lugares do mundo...
    O livro pode parecer chocante e até certos trechos nojentos, devido aos detalhes, mas temos de debater o tema a qualquer custo e orientarmos nossos filhos e netos para que não aconteça o mesmo com eles...
    “O silêncio é de ouro e muitas vezes é resposta.” (Sabedoria popular)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de JANEIRO dos nacionais, livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Ana.
    Infelizmente, isso ainda acontece demais. Uma pena, mas sempre aparecem casos como esse.
    Imagino que o livro deve ser doloroso e até difícil de ler por completo. Contudo, vale a leitura. Afinal, precisamos conhecer esse tipo de realidade aterradora.
    Ótima resenha.

    Desbravador de Mundos - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores, dividindo 4 livros.

    ResponderExcluir
  3. Só de ler a resenha já fiquei agoniada e revoltada imagina lendo o livro, mas infelizmente essa é a nossa realidade, muitas coisas cruéis e absurdas acontecendo e não dão um basta nisso.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana,
    já faz um tempo que queria ler esse livro. Só agora, com a sua resenha soube da sinopse. É extremamente chocante esse realidade e chega a dar agonia e ódio, isso lendo sua resenha, imagina o livro todo.

    Beijos,
    Jéssica
    https://snowhitejt.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, não conhecia esse livro ainda, mas essa resenha me deixou completamente louca para ler ele. Não dava nada pela capa, se eu simplesmente a visse, não compraria, de jeito nenhum, mas lendo esse resumo e sua resenha, fiquei incrivelmente louca para ler.
    A história é forte pelo jeito, mas infelizmente isso acontece com muitas pessoas e muitos nem imaginam isso (eu era uma dessas pessoas), imaginam que alguém some e esta mantida presa por ANOS. Preciso ler esse livro para saber o desfecho, deduzo que a menina tenha conseguido escapar, mas o que houve com o Ogro ? Somente lendo para saber né. E é isso que farei, com toda certeza.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ana!!
    Que livro com tema mais forte!! Sem dúvida é muito triste que isso ocorre muito ainda aqui no Brasil e no mundo todo!! Gostei bastante da resenha que foi bem verdadeira.
    Beijoss

    ResponderExcluir

Adptação e personalização por QueenG Design

Tema Base por Butlariz